10 pontos que você deve considerar para ser líder de uma equipe de trabalho remoto

10 pontos que você deve considerar para ser líder de uma equipe de trabalho remoto

By

O trabalho remoto não era algo comum para tantas empresas, mas por conta do isolamento social, grande parte delas teve que se adaptar à força a esse modelo. Porém, nem todos os líderes estavam prontos para gerenciar uma equipe remota, o que pode trazer alguns problemas no dia a dia do trabalho. De acordo com a Workana, maior plataforma que conecta freelancers a empresas da América Latina, fundada em 2012 e com ampla experiência em trabalho remoto, alguns dos principais desafios é a falta de profissionais capacitados para treinar líderes de equipes remotas.

Daniel Schwebel, gerente nacional da Workana no Brasil, aponta que mesmo que as equipes já estejam trabalhando à distância, superar esses desafios não é algo assim tão complicado. “Existem estratégias que as empresas podem seguir que certamente vão ajudar nesse momento, como ferramentas digitais e integração de equipe”. Veja abaixo as dicas elencadas pelo especialista:

1. Aproveitar a tecnologia

Existem diversas ferramentas, muitas delas gratuitas ou bastante acessíveis, que podem ajudar não só no trabalho remoto, mas também no dia a dia em escritórios. Aplicativos online como Asana, Google Suite, Slack, Skype, Zoom, Toggl, Office online, Dropbox, Trello, Calendly, etc. Existem diversos recursos até mesmo para coordenar adequadamente o trabalho de profissionais remotos que trabalham em diferentes países, horários e desempenham atividades distintas.

2. Capacitação em novas ferramentas

Decidiu implementar novas ferramentas de trabalho? Ótimo! Mas é importante não se esquecer de capacitar a equipe e orientar como cada uma delas deverá ser utilizada. Todos precisam compreender que o uso de novos métodos não é mais um processo complicado, mas sim, algo essencial para que o trabalho da equipe evolua de forma clara e efetiva.

3. Integração de equipe

Um bom processo de capacitação e integração é chave para que os colaboradores se integrem rapidamente a suas atividades e acelera a curva de aprendizagem. De forma remota, o onboarding do time pode não ser o mesmo, mas ainda assim é muito importante que haja dedicação para integrar cada membro novo. Invista tempo e esforço de criar um protocolo de boas vindas à empresa e deixe claro para cada profissional o que se espera dele, quais são e como usar cada uma das ferramentas de trabalho disponíveis e qual é a cultura e os valores organizacionais, entre outras coisas.

4. Trabalhar por objetivos

Absolutamente todos os manuais e livros sobre produtividade concordam que o segredo do sucesso está em dividir tarefas grandes em tarefas menores, delegar e estabelecer prazos para cada uma delas. Isso também se chama trabalhar por objetivos e é uma forma de melhorar, organizar e colocar dentro de um mesmo cronograma o trabalho colaborativo de várias pessoas.

Dos aliados imprescindíveis do trabalho por objetivos são: o cronograma de atividades (que pode ser gerenciado por aplicativos como Asana ou Calendly, inclusive até uma planilha do Google Drive) e os critérios dos objetivos SMART (Acrônimo para Specific, Measurable, Attainable, Relevant e Time Bound que em Português significa: Específico, Mensurável, Alcançável, Relevante e Tempo)

5. Documentar os horários e formas de comunicação

Ninguém precisa responder um email com mudanças urgente às quatro da manhã, nem teria que interromper sua sessão de yoga para enviar um arquivo ou e-mail adicional. Em uma equipe que existem integrantes realizando diversas atividades, é essencial estabelecer a comunicação, canais e tempos de respostas de forma estratégica desde o começo, assim como ter a certeza de que todos cumpram esses pontos.

Por exemplo, pode ser muito simples, determinar que todas as mensagens sejam enviadas um único canal, como Skype ou Hangouts. Além disso, é importante que fique claro para toda a equipe o horário de trabalho de cada um, para que não haja mensagens desnecessárias ou cobranças excessivas no horário livre do profissional.

6. Fomentar atividades de equipe

Uma das desvantagens que sempre são mencionadas com relação ao trabalho remoto é o sentimento de solidão e isolamento que podem experimentar algumas pessoas. Além do impacto que isso pode ter na esfera da vida particular de cada profissional, existe o risco de que, ao não sentirem uma conexão pessoal com o restante da equipe, a motivação e o comprometimento podem se perder. Por isso, é importante fomentar e planejar atividades frequentes de equipe, que podem incluir videoconferências semanais, dinâmicas de grupo, etc.

Por exemplo, uma boa dinâmica de apresentação é pedir aos seus colaboradores que compartilhem com o resto da equipe uma imagem ou um vídeo de sua área de trabalho e que expliquem em detalhes quais são as suas ferramentas e os elementos que preenchem seus espaços de trabalho com a personalidade e o estilo de cada um.

7. Motivação

Existem muitos elementos que nos motivam no trabalho: a retribuição econômica que temos, o fato de gostar do que se faz e o reconhecimento por um trabalho bem feito e, claro, a capacidade de encontrar um propósito e um objetivo bem definido ao final de nossos esforços.

Como líder de uma equipe remota, deve-se ter a interferência direta a respeito do reconhecimento que é dado à equipe e na maneira como é comunicado o propósito final do projeto. Não se trata apenas de solicitar uma criação brilhante, por exemplo, para uma Landing Page, mas sim contagiar com entusiasmo para conseguir um redação persuasiva e original que permita incrementar as vendas da empresa e também de retroalimentar o profissional com os resultados positivos do seu trabalho.

8. Feedback

E falando de retroalimentar, não podemos nos esquecer de que o feedback constante, tanto positivo quanto negativo, é fundamental para otimizar os resultados de uma equipe remoto de maneira constante. Manter proximidade da equipe, apontar as possíveis melhorias e estabelecer um canal aberto de contato são essenciais para que haja confiança e alinhamento de expectativas.

9. Dar boas vindas a cultura do erro

A cultura do erro pode ser resumida como deixar de interpretar o erro como algo negativo que existe e que precisa ser evitado a todo custo e dar o lugar a uma oportunidade imbatível para manter processos de otimização e constante evolução nos processos.

Deixar um espaço para o erro inteligente significa estar em busca constante de forma criativa e nova de fazer as coisas, porque a cada nove falhas, uma dará certo, e trará melhores resultados.

10. Ter parceiros de confiança

Finalmente, é muito comum que empresas precisem de apoio externo para gerenciamento de equipes ou até mesmo a contratação de profissionais remotos para soluções pontuais necessárias. Se sua empresa não tem ainda um e-commerce, por exemplo, isso com certeza se tornou uma urgência após o isolamento. É possível contratar freelancers para executar projetos pontuais.
 
 
Fonte: Administradores

You may also like